Fotos Flickr

Carta de entrada no MAIS, por Rafael Prado, presidente do Sindipetro-SJC

Olá companheiros e companheiras,

Meu nome é Rafael Prado. Sou petroleiro e atualmente estou na presidência do SINDIPETRO-SJC.

Queria pedir um minuto de sua atenção para compartilhar com você uma decisão que tomei.

Sempre fui um trabalhador assalariado. Aprendi desde cedo que sozinho nada podemos. Num país desigual como o nosso, lutar é mais que um direito. É uma obrigação para quem quer viver com um mínimo de dignidade.

Dediquei anos da minha vida à classe trabalhadora. Como muitos de minha geração, encontrei no PT uma esperança de ver dias melhores para os trabalhadores e o povo pobre.

Foi um período muito rico e importante na minha vida. Agradeço muito a todos os companheiros do PT, em especial da AE. Grandes lembranças carregarei dessa experiência.

Mas concluí que o caminho para a libertação da classe trabalhadora não passa mais pelo PT. A política de colaboração com o grande empresariado mostrou-se, ao fim das contas, uma armadilha para a classe trabalhadora. Nada temos a ganhar nos curvando a velhos caciques da política e a empresários gananciosos que parasitam nosso suor. Não foi pra isto que comecei a militar.

É sempre difícil a gente se desfazer daquilo que ajudamos a construir. Sair do PT foi difícil. Eu diria que até doloroso. Mas meu compromisso é com a classe trabalhadora. Apesar das dificuldades, não quero dobrar minha história, guardar nas malas e voltar pra casa.

Quero dar continuidade à minha luta em defesa da classe trabalhadora. Quero continuar lutando para que nenhum negro ou negra sofra com o racismo. Nenhum LGBT sofra com a homofobia e nenhuma mulher com o machismo. Minha luta é pela igualdade, pelo fim da exploração e da opressão. Minha luta é pelo socialismo.

Depois de refletir muito, cheguei à conclusão de que hoje a organização com a qual melhor identifico estes princípios é o MAIS, uma jovem organização que hoje faz parte do PSOL.

O MAIS é uma organização socialista, com um programa voltado para a classe trabalhadora e que respeita o atual nível de consciência e organização dos trabalhadores. Não é a única alternativa socialista do mundo e reconhecer isto é também uma das qualidades desta organização, que se coloca como parte do processo de reorganização da esquerda socialista no Brasil e no mundo.

O MAIS hoje consegue sintetizar o que considero um programa socialista, de defesa da classe trabalhadora, mas sem autoproclamação e messianismo. Enfim, um instrumento dos trabalhadores com o qual quero me somar.

O capitalismo está nos afundando num abismo de miséria, ignorância, hipocrisia e corrupção. É preciso muita organização para virar este jogo. É a serviço desta estratégia que está o MAIS.

Agradeço a você, companheiro e companheira, por sua atenção e quero dizer que estamos juntos nesta luta.
Sou Rafael. Sou petroleiro. Sou socialista. Sou do MAIS!

Post A Comment